COMBATE À ZIKA

Saúde Pública: Microtargeting no combate à Zika

Em 11 de novembro de 2015, o Ministério da Saúde decretou a epidemia do vírus Zika como Situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional. Naquela data, já se passavam dois meses desde que médicos do Nordeste do Brasil alertaram para o alto número de nascimentos de bebês com microcefalia em diversos estados. Não demorou muito para que o surto de Zika levasse à declaração de uma emergência global de saúde pública pela Organização Mundial de Saúde – OMS.

Além de microcefalia nos recém-nascidos, a Zika também passou a ser ligada a casos de doenças neurológicas em adultos, como a síndrome de Guillain-Barré. “Nós tínhamos a possibilidade de realizar a maior ação de big data e microtargeting utilizada pelo Governo brasileiro para combater o mosquito Aedes Aegypti, no momento em que a população estava apresentando índice crescente de incidências de dengue, zika vírus e chikungunya”, afirma a diretora executiva de Operações do Ideia, Carolina Albuquerque.

 Segundo a diretora de Operações, devido à dimensão do Brasil, tanto em termos de população, como extensão de terra, seria muito difícil para o Governo sozinho atingir os resultados esperados. “Decidimos por engajar e mobilizar a população brasileira para efetivamente combater a doença em escala nacional”, explica Carolina. A estratégia escolhida, então, foi orientar a população sobre a doença e as formas de evitá-la, disseminando as melhores práticas para evitar picadas do inseto, além de incentivar a população a fiscalizar e eliminar potenciais focos de mosquito em sua vizinhança. “Quanto mais rápida e abrangente fosse a eliminação de pontos de água acumulada, mais rápido seria o controle da doença. O Brasil é um país de dimensões continentais, com clima predominantemente tropical, marcado por períodos de sol e chuva que potencializam a proliferação do Aedes”, enfatiza.

O primeiro passo realizado pelo Ideia foi levantar os estados que tinham mais casos confirmados de microcefalia, chegando a listagem de 14. No segundo momento, a Empresa se concentrou em identificar os municípios com maior incidência de casos de dengue entre os 26 estados e no Distrito Federal, chegando ao total de 162 cidades. “Mesmo com esse afunilamento dos dados, a verba disponível ainda não era suficiente para impactar a quantidade de pessoas necessárias. Com a robustez do nosso Big Data disponível no software Alexandria, sabíamos que conseguiríamos segmentar ainda mais o público, mas era preciso escolher uma variável que dê fato impactasse em chegar ao público mais necessitado de informação”, ressalta Albuquerque.

A estratégia adotada pelo Ideia decidiu focar em pessoas das classes C, D e E, dentro da limitação espacial definida anteriormente, sempre ponderando a proporção de casos confirmados em cada cidade. “Também levamos em consideração a relação custo X poder de compartilhamento”, acrescenta.

As ações de comunicação de contato direto foram divididas em quatro ondas, com cada veículo sendo estrategicamente definido para cada etapa a fim de priorizar aqueles que tivessem a maior eficácia na entrega da mensagem. “Iniciamos com as chamadas por voz direcionadas para telefones residenciais, cujo custo é baixo, acreditando que a mensagem iria ser difundida entre a família, podendo ainda ganhar repercussão entre os vizinhos”, conta Carolina. Nessa ação, atendidas 650 mil chamadas por voz foram atendidas.

É importante destacar que a cada nova ação de contato direto, o cruzamento de dados por meio do Big Data teve papel crucial para evitar que a mesma pessoa fosse contatada duas vezes, mesmo que por diferentes meios. “Dessa forma, garantimos que o total de disparos realizados correspondesse ao total de pessoas diferentes impactadas”, esclarece.

Na segunda etapa, o Ideia apostou no potencial de compartilhamento do WhatsApp. Foram entregues 750 mil mensagens, a maior ação  de combate à Zika já realizada no Brasil. Na terceira, 190 mil mensagens foram entregues via SMS e, na quarta e última onda, 300 mil e-mail enviados.

Com as ações de contato direto implementadas pelo Ideia, as mensagens de prevenção ao Aedes chegou diretamente a 1.890.000 pessoas. “Temos convicção de que conseguimos instruir muito mais pessoas devido ao poder de compartilhamento das informações”, conclui Carolina.

Category

Microtargeting

Tags

Governos

Date published

31 de março de 2017